Pular para o conteúdo principal

A Roda do Ano - sua importância e significado


As religiões pagãs têm como base a Natureza. Dentro de seus calendários específicos, afinados com os ciclos da Natureza, são celebrados ritos que visam a conexão com as energias do momento e sua sintonia.

Esta sintonia é importantíssima para o bem viver, pois também somos natureza e recebemos as influências das forças cósmicas e telúricas de cada estação. Quando nos sintonizamos, isto é ,quando nos conscientizamos do momento em que estamos e das forças atuantes, podemos seguir o fluxo da vida com mais tranquilidade e aproveitamento e nos compreendermos  e respeitarmos mais e  melhor.
Os Celtas celebravam originalmente  quatro festivais no ano, chamados de os Grandes Festivais do Fogo. Mais recentemente dentro do paganismo moderno se celebra também os  solstícios e equinócios . Esses festivais dividiam o ano na metade clara e escura, de acordo com as estações bem marcadas das regiões Celtas. Mesmo sendo a Antiga Religião e originada no Hemisfério Norte, estas celebrações são extremamente atuais mesmo aqui no Hemisfério Sul, é só revertermos as datas, já que enquanto aqui estamos no inverno, no hemisfério norte é verão.

A simbologia e representações são precisas e mesmo não precisando mais guardar estoques de caça para o inverno, por exemplo, precisamos poupar nossas energias e ficamos naturalmente mais intorspectivos. De Samhain até Imbolc não é uma época de fazer e acontecer!
Dentro de toda esta celebração e sintonia, reverenciamos os Deuses .E  embora não seja de origem Celta, gosto da forma como a Deusa e o Deus passeiam pela Roda do Ano no mito denominado O Romance da Deusa, bastante celebrado pela Wicca.

Quero aproveitar para destacar que embora fale de várias formas de culto e panteões ao me dirigir aos festivais, eu não recomendo a mistura de panteões em um  ritual. Apenas passo as informações do que acho válido e já pratiquei ou pratico. Cabendo a cada um  escolher com o que se identifica mais e/ou buscar  informações mais detalhadas e específicas.

O Solstício de Verão (Alban Hefin - Luz do Verão), o Equinócio do Outono (Alban Elfed - Luz de Outono), o Solstício de Inverno (Alban Arthan - Luz do Inverno) e o Equinócio da Primavera (Alban Eilir - Luz da Terra) são festivais Solares; enquanto Samhain (Oíche Shamhna - O Ano Novo Celta),  Imbolc (Lá Fhaile Bríde -  A Festa de Brighid), Beltane (Lá Bealtaine - Os Fogos Brilhantes), e Lughnasadh (Lá Fhaile Loenasa - A Festa da Colheita) são festivais Agrícolas. Acompanhemos agora A Roda do Ano:
roda
 *Samhain - Terceiro festival da colheita. Em vez de frutas e grãos é a vez da carne dos animais que serve para abastecer o inverno que se anuncia. A Deusa se torna Anciã, pois  a Natureza chega ao seu declíneo. Ela é a Senhora da magia, da sabedoria e da morte. Desce o labirinto e entra no mundo subterrâneo (o seu próprio ventre) e espera o renascimento no Solstício de Inverno. O Deus finaliza a sua descida e se torna o Senhor do mundo subterrâneo, do oculto, do mistério, da morte. Este é o sabbat mais celebrado da Roda do Ano. Nele homenageamos nossos ancestrais e celebramos um novo ano (ciclo) que se inicia. Este sabbat é tido como fora do tempo, devido às energias cósmicas e telúricas atuantes no momento. Por isto ele marca o término de um ciclo e o início de outro. Ele é o nosso Ano Novo, pois a morte contém a vida (e vice-versa) e depois do declínio  a vida recomeça. 
Este é o momento ideal para mergulharmos em nós mesmos entrando em contato com nossa sombra, curar e transformar padrões negativos. Devemos acessar nossa sabedoria, pois o Deus e a Deusa estão unidos neste mundo interno de sabedoria, mistério, magia e regeneração. Datas: 30 de abril  no HS (31 de outubro  no HN).** 
*Solstício de Inverno (também conhecido como Yule) - É a noite mais longo do ano. A partir daqui há o crescimento da Luz. Com o aumento do calor a Terra renasce. A Deusa volta do sumbmundo e dá à Luz a Criança da Promessa (o Deus). Momento de renascimento de nossas esperanças e desejos. Datas: entre 20 a 23 de junho no Hemisfério Sul  (entre 20 a 23 de dezembro no HN)
*Imbolc (também conhecido como Candlemas) - Aqui Deusa e Deus estão na infância cheios de esperança e sonhos. A Deusa é a Virgem das Flores. Com o aumento da Luz anunciando a Primavera, as novas sementes começam a ser despertadas. A hibernação dos animais chega ao fim e eles começam a dar leite, daí o nome Imbolc. Este festival é dedicado a Deusa Brigith, Aquela que tem o fogo inspirador, criador e curador. Momento de fortalecer nossa a luz interior,  o poder pessoal realizador e o fogo criador interno. Datas: primeiro ou dois de agosto  no HS (2 de fevereiro  no HN).**
*Equinócio da Primavera (conhecido também como Ostara, Deusa Nórdica, lembrando que os nórdicos não eram celtas)-  A Deusa é Donzela, a Virgem da Primavera, e o Deus é um jovem cheio de enegia e vigor, o Deus da Fertilidade. Nesta época acontece o plantio das sementes. Nesta data, a noite e o dia têm a mesma duração, o que faz deste dia perfeito para trabalharmos o nosso equilíbrio interno, que se refletirá em nossa vida externa. Momento para plantarmos e cultivarmos as nossas sementes (nossos objetivos) e celebrarmos a nossa Criança Interior. Estamos mais ativos e vitais. Datas: entre 20 e 23 de setembro no HS (ente 20 e 23 de março no HN).
*Beltane - A Terra está extremamente fértil, o Sol brilha com o seu esplendor, os animais se acasalam. Este festival celebra o Casamento Sagrado do Deus e da Deusa (masculino e feminino). Os dois vivem a paixão e a sexualidade plena, consagrando a Natureza com Seu amor. A Deusa está radiante em sua beleza. O Deus Sol cresce rumo a sua fase adulta (Lughnasadh). Momento para trabalharmos naquilo que plantamos no último festival, concentrando nossa energia pessoal e fertilizadora em nossos projetos. Datas: 31 de outubro ou primeiro de novembro no HS (Primeiro de Maio  no HN).**
*Solstício de Verão(também conhecido como Litha) - O Sol está em seu ápice. Este é o dia mais longo do ano. A partir daqui o Sol vai gradativamente perdendo sua força e as noites vão se tornando mais longas. Deus e a Deusa vivem o êxtase da Sua união. Com isto a Natureza se frutifica e se prepara para a primeira colheita no próximo festival. A Deusa é a Mãe Terra grávida. Ela está na plenitude de sua força, sexualidade, beleza e fertilidade. O Deus se modifica em nome de Seu amor pela Deusa, se preparando para o Seu sacrifício. Sua face vai se tornando escura à medida que o Sol se distancia da Terra. Momento de plenitude, de celebrarmos o amor, a alegria e a vida. Aqui os sonhos se realizam. A vitalidade está no auge. Datas: entre 20 e 23 de dezembro no HS (entre 20 e 23 de junho no HN).
* Lughnassadh (também conhecido como Lammas) - Festival da primeira colheita. Momento do sacrifício do Deus que morre para alimentar a humanidade quando os primeiros grãos são colhidos. Deste sacrifício surgirão novas sementes para um novo plantio. A Deusa é a Matrona, Senhora dos Animais e dos Grãos. De seu ventre nascem as colheitas. Momento de gratidão e avaliação da colheita pessoal. Datas: 1 ou 2 de fevereiro  no HS (1 ou 2 de agosto no HN).**
*Equinócio de Outono( também conhecido como Mabon) - Segundo festival da colheita. Como no Equinócio da Primavera, este é um dia de equilíbrio entre o dia e a noite, que têm a mesma duração. É bom aproveitar para  cura e equilíbrio interno. A Deusa se torna uma Mãe sábia e amadurecida ao entrar na menopausa, suprindo seus filhos com abundância de alimentos (em todos os níveis), preparando-os para o inverno. O Deus no entanto é uma presença quase imperceptível. Momento para agradecermos por tudo que colhemos durante o ano. Rituais de agradecimento. Até os fracassos e erros nos alimentam com ensinamentos, agradecer por eles também, por tudo o que recebemos. Já começamos também a pensar em nossos projetos para o próximo ciclo que se inicia após o próximo festival. Datas: enrte 20 e 23 de março no HS (entre 20 e 23 de setembro no HN).

Nota: Os festivais Agrícolas têm datas mais flexíveis de acordo com a paisagem e fenômenos naturais de cada região em particular. Por exemplo, Imbolc tem seu início no momento do primeiro degelo em locais de neve e geada.

Leia dentro do módulo A Roda do Ano explicações mais detalhadas sobre cada festival!http://www.annaleao.com.br/modules/smartsection/category.php?categoryid=23

Anna Leão. Todos os direitos reservados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BRUXAS E FADAS - QUEM É QUEM?

Minha filha mais nova chegou para mim dizendo que a amiga não acreditava em bruxa boa, que bruxa boa era fada. Ledo engano.
Está certo que a menina fala inspirada nos contos de fadas e tudo o que há por aí sobre o assunto a nível de fantasia. Mas me pergunto, e Harry Potter?
Isto mostra como as crenças (olha elas aí de novo!) são muito fortes e difíceis de serem mudadas de uma hora para a outra. Criamos imagens de certas coisas que ficam enraizadas em nossa psique e na psique coletiva, mesmo que erradas.
Para começar, bruxas e fadas existem. Só que a maioria das pessoas tem uma imagem completamente equivocada de ambas. Existe muito preconceito, má informação e deturpações.
Vamos por parte. Começo pelas fadas. Elas são seres elementais. O que é isto?
Bem, existem quatro elementos básicos da criação, a saber: Terra, Ar, Fogo, Água. Os elementais são seres habitantes destes elementos. Seus nomes, atribuições, características e funções são de acordo com o elemento a que pertencem.
Os reinos ele…

Perséfone - Deusa da Primavera e Rainha do Submundo

De Metamorfose

A princípio pode parecer estranho que a Deusa Perséfone tenha como atributos a Primavera e o Submundo, mas não podemos esquecer que da morte advem a vida e o mito desta Deusa explica isto muito bem.

Filha de Zeus e Deméter, esta jovem Deusa grega, enquanto colhia flores, é raptada por Hades, o Deus do Mundo Subterrâneo.

Jacinto foi a flor que seduziu Perséfone atraindo-a ao local onde a terra se abriu, surgindo Hades em sua carruagem dourada, puxada por cavalos imortais.

Contra a sua vontade Perséfone foi levada ao Submundo. Seus gritos não foram ouvidos por nenhum Deus ou mortal, exceto pela Deusa Hécate que os ouviu de sua caverna.

Deméter, Deusa da colheita, da fertilidade e dos grãos, ao perceber o sumisso de sua filha sai a sua procura. Muito triste e lamentosa, sua luz e alegria vão se extinguindo dando lugar a sua ira, o que provoca a seca e o frio na Terra.

Finalmente ao saber por Hécate o paradeiro de Perséfone, Deméter vai até Zeus pedindo que ele interceda junto a …

O CHAKRA ESPLÊNICO - O SEGUNDO CHAKRA

De Metamorfose

Continuando a falar sobre os chakras...

Chakra Esplênico é o nome do segundo chakra que se localiza no baixo ventre, quatro dedos abaixo do umbigo.

Seu nome em sânscrito é Svadhistana, que significa segundo alguns autores "morada do Sol", segundo outros,"morada própria". Ele também recebe os nomes de Chakra do Hara, Chakra Sagrado e Chacra do Sacro.

A função básica do segundo chakra é filtrar e distribuir a energia vital. Ele também é responsável pela sexualidade - tanto por sua energia, quanto pelo prazer que ela proporciona – pela criatividade, pela reprodução e pelos relacionamentos, quaqlquer tipo, inclusive o relacionamento com o mundo físico.

O chakra esplênico é o chakra das emoções. Diane Stein em seu livro As Sacerdotisas, coloca este chakra relacionado ao corpo emocional e à projeção astral, conhecida também como viagem astral. Isto fica fácil de entender pois é este chakra que liga o corpo físico à alma.

É o chakra do movimento, da expanção. Reg…