COLORIDA


Sou clorida e em mil cores me expresso
Cada dia nublado faz-me sentir azul
Enquanto o sol que me ilumina
Faz-me ser dourada do jeito que eu sou

Rosa é a cor do meu coração
Não um pálido rosa como o das moças virgens
Mas um rosa-choque que diz que cheguei!

Meu sexo é vermelho
E às vezes prata, não me pergunte o porquê

Negro são os meus mistérios
Que só eu mesma decifro, quando consigo...
O profundo ganha pontos brilhantes
E eu me torno um céu estrelado

Verde é a cor da minha mente quando conto histórias
Lilás os meus poemas que saem rasgados de minhas veias roxas

Vinho é o meu sabor
Laranja quando sou mais eu

Branca a cor da minha criança
Chamando minha alma amarela
Que se reflete no arco-íris de minhas emoções.

Anna Leão. Todos os direitos rservados.

Comentários

sandra disse…
Oi Anna:
"Furtei" teu poema e "socializei" no orkut! Lindo demais, não aguentei e colori outras pessoas rsrsrrs
Bjo. na alma.
ANNA LEÃO disse…
Imagina, Sandra, pode "socializar" meus poemas à vontade!É uma força que vc me dá! E fico muito feliz de que tenha gostado tanto desse!!!
Um grande beijo nessa alma tão sensível,Anna.