QUEBRANDO PADRÕES




Todos nós temos hábitos. E muitos! Hábitos comportamentais, emocionais, mentais. Com eles construímos padrões. A princípio, achamos que muitos desses hábitos são bons para nós. Mas não percebemos que muitas vezes eles ficam obsoletos, sem sentido, e pior, nos impedem do novo e, assim, perdemos oportunidades.

Oportunidades de vida, de crescer, de mudar. Até mesmo uma simples oportunidade de lazer, e que às vezes, era tudo do que a gente precisava.

Tudo muda. A vida e o mundo estão sempre em transformação. Por que nós, seres humanos, temos que permanecer paralisados em comportamentos, pensamentos e sentimentos cristalizados?

Nós viemos aqui para evoluir, e isto requer mudança, transformação, sempre.
É claro que existem coisas que gostamos e outras não. O problema é quando não queremos experimentar algo novo, sair do costume, em nome do hábito.

Para entender melhor, darei um exemplo pessoal. Eu, hoje em dia, não gosto de ter um compromisso fixo à noite, como um curso de alguma coisa, por exemplo, diferente de sair para me divertir. Pergunto-me, será que isto é um hábito ou simplesmente prefiro estar em casa à noite?

Analiso que não foi sempre assim. Já fiz muita coisa à noite, e se aparecesse algo que eu quisesse muito fazer e só houvesse este horário eu iria.

Mas o principal é experimentar. Tentar quebrar o hábito.

Vamos nos aprofundar um pouco mais e percebamos nossos padrões mais internos. Na verdade, nossas crenças, formas de pensar. Quantas vezes enraizamos crenças dentro de nós que não nos pertencem ou que nos prejudicam.

Estar em constante transformação é nos reciclarmos constantemente.

Você pode dizer que não quer mudar. Pode achar que isto vai te deixar inseguro, pois você já está acostumado com o jeito que as coisas acontecem para você, com seus pensamentos, seus sentimentos e rotina.

Mas vou te dizer, por mais que queiramos a segurança, acho que ela é uma das coisas mais ilusórias que existem. A vida é imprevisível, nos alinharmos a esta imprevisibilidade é saber viver.

O controlador quer controlar tudo a fim de ter segurança, de si, dos outros, da vida e do mundo. Este é o mais previsível e rotineiro de todas as pessoas. Mas ele se frustra e se irrita o tempo todo, pois ele não é Deus, nem Deusa. É impossível ter o controle, isto também é uma ilusão.

Estarmos abertos às mudanças, mudarmos, quebrar hábitos e padrões é nos renovarmos e nos sintonizarmos com o real ritmo da vida. É estarmos leves e dispostos a nos surpreender. Pois a vida é uma surpresa e nos oferece muitas oportunidades. Precisamos estar de mente e corações abertos para aproveitarmos estes presentes.

Não estou dizendo para você mudar sua rotina, digo apenas para você não se prender a ela com tanta rigidez. Examine também sua forma de pensar, faça isto periodicamente.

Quem sabe você só consegue as coisas, quando consegue, depois de sofrer muito, de tanto ouvir que precisamos lutar muito para conseguirmos o que queremos. Isto é uma crença, crença de outras pessoas. E você acreditou nela, assim como as pessoas que a repetiram para você.

Uma crença é poderosa. Ela tem uma força imensa. Se você acredita que nasceu para não ser feliz, você nunca será.

As crenças podem ser grandes aliadas, ou poderosas inimigas.

Ninguém tem a verdade suprema, nem eu, nem você. Mas podemos escolher o que internalizar. Muitas crenças que temos e nos prejudicam trazemos de nossa infância. E quantas interferem em nossa autoestima!

Vamos quebrar padrões, vamos quebrar amarras, das mais cotidianas às mais profundas.

Vamos renascer! Sempre!


Anna Leão (Favor mencionar autoria e fonte ao reproduzir este artigo).


Comentários

ANNA LEÃO disse…
OBRIGADA, LENA!

UM BEIJÃO!
ANNA.
LYDIAH disse…
Amiga querida,

estou quebrando os meus padrões e ficando até tarde online - porque está sendo o jeito de estar com as pessoas que gosto!!!

Mas confesso que tenho tantos padrões a quebrar!!!

Todos nós, não é mesmo?

Parabéns pelo texto!!!

Adorei!!!

Beijos e bênçãos,
Lydiah.
ANNA LEÃO disse…
Lydiah querida,

Com certeza todos nós temos muitos padrões a quebrar!
Nem eu nem você queremos dar lição de moral através de nossos trabalhos, não é mesmo? Muito do que falamos serve para nós também, e a medida que vamos refletindo vamos transmitindo o resultado destas reflexões em nossos blogs.
É muito bom ter uma parceira como vc neste caminho, sem falar na amizade!!!
Um grande beijo, com muita saudade,
Anna.