Pular para o conteúdo principal

Resgatando as nossas partes e devolvendo as que não nos pertencem

De Metamorfose


 Durante a nossa vida, na qual vamos tecendo relações, vivendo experiências, vivenciando encontros e despedidas (assim como reencontros), nós doamos e recebemos.

Somos seres complexos, temos várias facetas, não somos apenas uma única coisa. Tanto é que a percepção que os outros têm de nós varia muito de pessoa para pessoa. E é claro que isto tem muito a ver com o interior destas pessoas, mas isto é outra história. Falar aqui de projeções, identificações ou da teoria da relatividade fugiria do tema que quero abordar: a doação involuntária de aspectos de nós mesmos.  Continuemos com um exemplo.

Eu tenho amigos que me acham uma pessoa engraçada. Já outros não vêm, de jeito nenhum, este traço em mim. Outro exemplo, em uma época da minha vida, ouvi no mesmo dia um amigo me considerar “meio avoada", enquanto outro dizia que me achava muito prática.

Isto já nos mostra que o importante é confiarmos naquilo que somos - que não é pouca coisa - e não darmos tanta importância ao que pensam de nós. Difícil tarefa? Sim, mas usando a lógica e fortalecendo nossa identidade, e consequentemente nossa autoestima, chaga-se lá.

Bom, falando objetivamente das doações involuntárias, o fato é que vamos deixando pedaços de nós com as pessoas com quem nos relacionamos. E muitas vezes estes pedaços vão embora junto com estas pessoas.

Enquanto estamos nos relacionando, este pedaço, esta parte, ainda nos pertence. Mas quando não temos mais esta relação - e ela se resume a qualquer tipo - muitas vezes o outro leva esta parte de nós, sem percebermos. É como um pequeno roubo de parte de nossa identidade, de nosso ser.

Isto também pode acontecer com pessoas que ainda mantemos contato. Mas mudamos, e o outro também. A relação muda e, de repente, percebemos que, há muito tempo, uma parte nossa não nos pertence mais.

Só que esta parte, por mais que tenhamos mudado, é vital para a nossa integridade. Ela é um aspecto da nossa personalidade, e, muitas vezes, da nossa própria essência. Como resgatá-la então? Bom, primeiro temos que ter a consciência de que perdemos um pedaço nosso e ele nos faz falta. Depois precisamos saber a quem o doamos, quem foi que o levou. Próximo passo, entender o motivo pelo qual o deixamos ir. Último passo: resgatá-lo.

Para resgatá-lo podemos usar técnicas de visualizações. Concentrar-se na pessoa que detém sua parte, chamar essa parte, pedir que ela volte para você - sua parte, não a pessoa, que pode ainda estar presente na sua vida. Procure visualizar a sua parte como uma energia que se desprende do outro e volta para você, mas tenha certeza de que é a sua parte, chame-a.

Você deve estar se perguntando se não detém partes de outras pessoas também. É claro que sim, e muitas vezes são partes que não te fazem bem. Você pode fazer o mesmo processo ao contrário. Perceber que partes que não são suas que você detém, de quem são, por que estão com você - aqui você pode encontrar muitas crenças que te limitam e que de fato não são suas. Mande-as de volta a quem elas pertencem e trabalhe também conscientemente tentando se livrar delas, percebendo que elas não fazem parte da sua natureza.

Outras pessoas também podem te ajudar a resgatar suas partes. Pessoas que vão te propiciar situações, eventos ou sentimentos, que fazem você se lembrar desta parte sua, que está tão longe... Aproveite estas oportunidades para resgatar esta parte novamente, para despertá-la novamente dentro de você, pois sempre há uma sementinha que ela deixou no seu interior. E mesmo longe, ela ainda está ligada a você, nem que seja por um fio tênue de energia, pois esta parte lhe pertence.


A vida é uma troca, damos e recebemos em nossas relações, só não podemos ser roubados de nós mesmos e nem roubar o outro. Receber uma parte nossa que foi perdida – ou roubada - é revigorante, nos dá a sensação de nascermos de novo, e isto mostra o quanto este nosso pedaço nos fazia falta. Estávamos incompletos, não porque o outro foi embora, mas porque ele levou uma parte nossa.

Anna Leão. (Favor mencionar fonte e autoria ao reproduzir este artigo).



Comentários

LYDIAH disse…
Minha linda,

você já me ajudou a resgatar partes essenciais em mim.

Espero fazê-lo, um dia, por você também!!!

Beijo enorme e muita saudade,
Lydiah.
ANNA LEÃO disse…
Lidiah querida,

Como é bom ler isto!!!

E saiba que já está fazendo, pois foi depois de nossa última conversa por telefone que me inspirei em escrever este texto. Exatamente por pensar o quanto você está me ajudando a trazer de volta algumas partes minhas perdidas por aí.

Obrigada, amiga-irmã!

Grande beijo cheio de saudade,

Anna

Postagens mais visitadas deste blog

BRUXAS E FADAS - QUEM É QUEM?

Minha filha mais nova chegou para mim dizendo que a amiga não acreditava em bruxa boa, que bruxa boa era fada. Ledo engano.
Está certo que a menina fala inspirada nos contos de fadas e tudo o que há por aí sobre o assunto a nível de fantasia. Mas me pergunto, e Harry Potter?
Isto mostra como as crenças (olha elas aí de novo!) são muito fortes e difíceis de serem mudadas de uma hora para a outra. Criamos imagens de certas coisas que ficam enraizadas em nossa psique e na psique coletiva, mesmo que erradas.
Para começar, bruxas e fadas existem. Só que a maioria das pessoas tem uma imagem completamente equivocada de ambas. Existe muito preconceito, má informação e deturpações.
Vamos por parte. Começo pelas fadas. Elas são seres elementais. O que é isto?
Bem, existem quatro elementos básicos da criação, a saber: Terra, Ar, Fogo, Água. Os elementais são seres habitantes destes elementos. Seus nomes, atribuições, características e funções são de acordo com o elemento a que pertencem.
Os reinos ele…

Perséfone - Deusa da Primavera e Rainha do Submundo

De Metamorfose

A princípio pode parecer estranho que a Deusa Perséfone tenha como atributos a Primavera e o Submundo, mas não podemos esquecer que da morte advem a vida e o mito desta Deusa explica isto muito bem.

Filha de Zeus e Deméter, esta jovem Deusa grega, enquanto colhia flores, é raptada por Hades, o Deus do Mundo Subterrâneo.

Jacinto foi a flor que seduziu Perséfone atraindo-a ao local onde a terra se abriu, surgindo Hades em sua carruagem dourada, puxada por cavalos imortais.

Contra a sua vontade Perséfone foi levada ao Submundo. Seus gritos não foram ouvidos por nenhum Deus ou mortal, exceto pela Deusa Hécate que os ouviu de sua caverna.

Deméter, Deusa da colheita, da fertilidade e dos grãos, ao perceber o sumisso de sua filha sai a sua procura. Muito triste e lamentosa, sua luz e alegria vão se extinguindo dando lugar a sua ira, o que provoca a seca e o frio na Terra.

Finalmente ao saber por Hécate o paradeiro de Perséfone, Deméter vai até Zeus pedindo que ele interceda junto a …

O CHAKRA ESPLÊNICO - O SEGUNDO CHAKRA

De Metamorfose

Continuando a falar sobre os chakras...

Chakra Esplênico é o nome do segundo chakra que se localiza no baixo ventre, quatro dedos abaixo do umbigo.

Seu nome em sânscrito é Svadhistana, que significa segundo alguns autores "morada do Sol", segundo outros,"morada própria". Ele também recebe os nomes de Chakra do Hara, Chakra Sagrado e Chacra do Sacro.

A função básica do segundo chakra é filtrar e distribuir a energia vital. Ele também é responsável pela sexualidade - tanto por sua energia, quanto pelo prazer que ela proporciona – pela criatividade, pela reprodução e pelos relacionamentos, quaqlquer tipo, inclusive o relacionamento com o mundo físico.

O chakra esplênico é o chakra das emoções. Diane Stein em seu livro As Sacerdotisas, coloca este chakra relacionado ao corpo emocional e à projeção astral, conhecida também como viagem astral. Isto fica fácil de entender pois é este chakra que liga o corpo físico à alma.

É o chakra do movimento, da expanção. Reg…