Pular para o conteúdo principal

Atemporalidade

De Metamorfose

Ontem recebi o convite para o aniversário de uma amiga muito querida que completa trinta anos. No convite, ela colocava um trecho referente à famosa crise dos trinta. Mas em contrapartida dizia que o autor estava enganado e que devemos comemorar nossos trinta anos. Concordo com ela e acho que devemos celebrar sempre, qualquer idade, qualquer feito.
Sei que vivemos numa sociedade, sei que existe o inconsciente coletivo, e sei também que o que os astrólogos chamam de planetas exteriores demarcam estas chamadas crises: dos trinta, quarenta, cinquenta… Mas na verdade, os planetas exteriores em trânsito sempre demarcam fases, não propriamente crises, e isto acontece desde quando somos crianças.
Acredito que estas fases se revelam de forma muito distinta de um ser para o outro. E para muitos vão aparecer como oportunidades e não crises. Tudo é muito pessoal neste sentido. O que quero dizer, é que nunca comprei estas crises. Acho que isto é porque não fico me enquadrando em fases ou idades. Eu simplesmente sou, e vivo minha vida como sou e estou. Nunca penso, ou pensei: “Tenho 20 ou 30 ou 40 anos…”
Como disse anteriormente, vivemos em sociedade. Existem as pressões como consequência disto, assim como os modismos e a compra e venda de tudo, inclusive de ideias, comportamentos e crises. Nunca me liguei à idade, por isto acho que nunca vivenciei uma destas crises, pelo menos não da forma como é vendida. Também nunca fiquei pensando na idade que estaria chegando, e que eu teria que estar fazendo – ou não fazendo – isto ou aquilo.
Meu processo de autoconhecimento e de viver minha vida é independente da idade que eu tenha, e eu não sigo, porque não me interessa seguir, os ditames da sociedade. As fases da vida existem, mas acredito que se passe por elas de uma forma estritamente pessoal e em um tempo não tão demarcado assim.
Há beleza em cada fase da vida, assim como vantagens e desvantagens, como em tudo. Eu não encaro o tempo como um inimigo. Tenho minhas crises sim, assim como já as tive. Mas crises que sinto brotarem de dentro. Não crises que vêm de fora, insistindo em como eu deva me comportar, pensar ou sentir.
Nunca fui ligada à moda, talvez isto ajude. Assim como não me preocupo em estar usando o que as pessoas estão usando, também não me preocupo em fazer o que estão fazendo, sentir o que estão sentindo, pensar como estão pensando, nem vivenciar as crises que estão vivenciando.
Pois por mais que eu viva em sociedade e me relacione com os outros, sou um ser único com meus próprios gostos, pensamentos, sentimentos, desejos e comportamentos. Ninguém sabe o que é melhor para mim do que eu mesma. Não vou deixar de usar uma roupa que eu goste só porque não está na moda. Não vou amar de um jeito que não é o meu só porque todo mundo agora ama assim. E por isto não vou também antecipar crises que no fundo não fazem parte de mim.
Nunca me vi com estas questões: “E agora, tenho trinta anos?!” “Quarenta anos, o que vou fazer?”. Vivenciei sim: “Estou precisando mudar algumas coisas em minha vida”. “As coisas não estão tão boas como eu gostaria.” “Estou precisando desenvolver certos aspectos em mim mesma.” Tudo isto sem conexão com a minha idade cronológica, se é porque tenho 30 ou 40 anos. Porque isto sinceramente não me importa, não é relevante.
Não sou uma mulher moderna, também não sou uma mulher antiga, nem contemporânea, nem à frente do meu tempo. Sou uma mulher atemporal.
É interessante que tive uma luz outro dia. Olhando uma revista, num consultório médico, percebia o quanto de botox está sendo usado pelas pessoas e comecei a pensar nesta questão do tempo e da idade. Percebi como fico no meu centro, no meu eixo, em relação a isto tudo, e tive o insight de que quando a morte me levar, ainda estarei neste mesmo centro, inteira, observando tudo a minha volta…

Anna Leão. (Favor mencionar autoria e fonte ao reproduzir este artigo.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BRUXAS E FADAS - QUEM É QUEM?

Minha filha mais nova chegou para mim dizendo que a amiga não acreditava em bruxa boa, que bruxa boa era fada. Ledo engano.
Está certo que a menina fala inspirada nos contos de fadas e tudo o que há por aí sobre o assunto a nível de fantasia. Mas me pergunto, e Harry Potter?
Isto mostra como as crenças (olha elas aí de novo!) são muito fortes e difíceis de serem mudadas de uma hora para a outra. Criamos imagens de certas coisas que ficam enraizadas em nossa psique e na psique coletiva, mesmo que erradas.
Para começar, bruxas e fadas existem. Só que a maioria das pessoas tem uma imagem completamente equivocada de ambas. Existe muito preconceito, má informação e deturpações.
Vamos por parte. Começo pelas fadas. Elas são seres elementais. O que é isto?
Bem, existem quatro elementos básicos da criação, a saber: Terra, Ar, Fogo, Água. Os elementais são seres habitantes destes elementos. Seus nomes, atribuições, características e funções são de acordo com o elemento a que pertencem.
Os reinos ele…

Perséfone - Deusa da Primavera e Rainha do Submundo

De Metamorfose

A princípio pode parecer estranho que a Deusa Perséfone tenha como atributos a Primavera e o Submundo, mas não podemos esquecer que da morte advem a vida e o mito desta Deusa explica isto muito bem.

Filha de Zeus e Deméter, esta jovem Deusa grega, enquanto colhia flores, é raptada por Hades, o Deus do Mundo Subterrâneo.

Jacinto foi a flor que seduziu Perséfone atraindo-a ao local onde a terra se abriu, surgindo Hades em sua carruagem dourada, puxada por cavalos imortais.

Contra a sua vontade Perséfone foi levada ao Submundo. Seus gritos não foram ouvidos por nenhum Deus ou mortal, exceto pela Deusa Hécate que os ouviu de sua caverna.

Deméter, Deusa da colheita, da fertilidade e dos grãos, ao perceber o sumisso de sua filha sai a sua procura. Muito triste e lamentosa, sua luz e alegria vão se extinguindo dando lugar a sua ira, o que provoca a seca e o frio na Terra.

Finalmente ao saber por Hécate o paradeiro de Perséfone, Deméter vai até Zeus pedindo que ele interceda junto a …

O CHAKRA ESPLÊNICO - O SEGUNDO CHAKRA

De Metamorfose

Continuando a falar sobre os chakras...

Chakra Esplênico é o nome do segundo chakra que se localiza no baixo ventre, quatro dedos abaixo do umbigo.

Seu nome em sânscrito é Svadhistana, que significa segundo alguns autores "morada do Sol", segundo outros,"morada própria". Ele também recebe os nomes de Chakra do Hara, Chakra Sagrado e Chacra do Sacro.

A função básica do segundo chakra é filtrar e distribuir a energia vital. Ele também é responsável pela sexualidade - tanto por sua energia, quanto pelo prazer que ela proporciona – pela criatividade, pela reprodução e pelos relacionamentos, quaqlquer tipo, inclusive o relacionamento com o mundo físico.

O chakra esplênico é o chakra das emoções. Diane Stein em seu livro As Sacerdotisas, coloca este chakra relacionado ao corpo emocional e à projeção astral, conhecida também como viagem astral. Isto fica fácil de entender pois é este chakra que liga o corpo físico à alma.

É o chakra do movimento, da expanção. Reg…