Pular para o conteúdo principal

O Sentido do Sacrifício!


Nunca gostei do sentido usual da palavra sacrifício. Bem longe do seu significado original – sacro ofício, ofício (trabalho) sagrado – eu não acredito nesta palavra como é utilizada atualmente.

     Quantas vezes não ouvimos frases como: “Ah, é preciso sacrifícios na vida!” “Fulano é tão bom! O quanto ele se sacrificou...” Acho o sentido desta palavra hoje em dia extremamente hipócrita.

     Por mais que um ser humano se sacrifique por algo ou alguém, ele recebe algo de bom para si. Nem que seja a satisfação que sente ao proporcionar felicidade para alguém. Então, não foi tanto sacrifício assim, no sentido usual da palavra. Não foi um sacrifício desinteressado, extremamente altruísta.

     Quando não há nenhum tipo de ganho, e nestas ocasiões o sacrifício é feito por obrigação ou imposição familiar, social ou cultural, cedo ou tarde a pessoa vai reclamar por ele. Quantas vezes não já ouvimos? “Ah, mas eu fiz tanto sacrifício por você...”

     Então, não devemos fazer sacrifícios? Bom, acho que devemos fazer escolhas, tomar decisões, saber quando abrir mão de algo, de uma forma sincera e consciente, mas tirando o significado pesado que foi atribuido  erroneamente a esta palavra.

     Agora, se quisermos, nós podemos trabalhar com a palavra sacrifício em seu sentido correto e original. E acredito que tudo o que fazemos, remunerado ou não, pode ser um ofício sagrado, contanto que façamos com amor, dedicação, verdade, um bom propósito e que vá ser útil a alguém.

     Provavelmente há muitas maneiras de exercer o sacro ofício. Por exemplo, eu estava falando com uma amiga sobre dois tipos de trabalho que percebo para a evolução espiritual. Classifiquei-os em trabalho leonino e aquariano. O primeiro, o leonino, trabalha do indivíduo para o coletivo. Aqui há um trabalho individual, cada ser se trabalhando, se autoconhecendo para evoluir. Todos juntos evoluídos formam um grupo evoluído.

     O trabalho aquariano vai do coletivo para o indivíduo. É aquele que trabalha direto na conscientização das massas, afetando um grupo grande de pessoas que vão trazendo aquela conscientização adquirida para as suas individualidades.

     Não existe uma forma de trabalho melhor que a outra, e muito menos só estas. E os outros signos como ficam? Brincadeiras a parte, todas as maneiras de trabalho são válidas, desde que se saiba qual é aquela que nos pertence.

     Muitas pessoas, por exemplo, espremem seu tempo para poderem fazer um trabalho voluntário. Mas se dentro deste contexto algo importante fica capenga por conta disto - como um filho pequeno que precisa de mais atenção da mãe - acho que de nada vale este voluntariado, e ele perde o seu sentido sagrado.

     Lembro-me de um livro que li da ocultista inglesa Dion Fortune, onde ela dizia que dentro da senda espiritual se a pessoa tem uma família para cuidar e ela deixa de lado para investir na sua “evolução” espiritual, de nada isto adianta. Com certeza! Não dá para trabalhar com dois pesos e duas medidas, a energia é uma só!

     Quantas pessoas não estão inflando seus egos com seus trabalhos voluntários porque está na moda, em vez de estarem comprometidas com este ato por terem uma preocupação verdadeira e consciente?

     Uma sociedade é formada de indivíduos que formam famílias. Não podemos nos esquecer da base, do micro, e querer partir para o macro de uma vez.

     Agora, se você tem tempo, disposição interna, se não vai deixar nada  realmente importante na sua vida ficar capenga, você pode sim, exercer o sacro ofício também de uma forma mais ampla. Mas lembre-se, isto precisa ser verdadeiro e, como alguém disse há mais de dois mil anos atrás, não há necessidade de sua mão esquerda saber o que a direita faz.


Anna Leão. (Favor mencionar fonte e autoria ao reproduzir este artigo).





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BRUXAS E FADAS - QUEM É QUEM?

Minha filha mais nova chegou para mim dizendo que a amiga não acreditava em bruxa boa, que bruxa boa era fada. Ledo engano.
Está certo que a menina fala inspirada nos contos de fadas e tudo o que há por aí sobre o assunto a nível de fantasia. Mas me pergunto, e Harry Potter?
Isto mostra como as crenças (olha elas aí de novo!) são muito fortes e difíceis de serem mudadas de uma hora para a outra. Criamos imagens de certas coisas que ficam enraizadas em nossa psique e na psique coletiva, mesmo que erradas.
Para começar, bruxas e fadas existem. Só que a maioria das pessoas tem uma imagem completamente equivocada de ambas. Existe muito preconceito, má informação e deturpações.
Vamos por parte. Começo pelas fadas. Elas são seres elementais. O que é isto?
Bem, existem quatro elementos básicos da criação, a saber: Terra, Ar, Fogo, Água. Os elementais são seres habitantes destes elementos. Seus nomes, atribuições, características e funções são de acordo com o elemento a que pertencem.
Os reinos ele…

Perséfone - Deusa da Primavera e Rainha do Submundo

De Metamorfose

A princípio pode parecer estranho que a Deusa Perséfone tenha como atributos a Primavera e o Submundo, mas não podemos esquecer que da morte advem a vida e o mito desta Deusa explica isto muito bem.

Filha de Zeus e Deméter, esta jovem Deusa grega, enquanto colhia flores, é raptada por Hades, o Deus do Mundo Subterrâneo.

Jacinto foi a flor que seduziu Perséfone atraindo-a ao local onde a terra se abriu, surgindo Hades em sua carruagem dourada, puxada por cavalos imortais.

Contra a sua vontade Perséfone foi levada ao Submundo. Seus gritos não foram ouvidos por nenhum Deus ou mortal, exceto pela Deusa Hécate que os ouviu de sua caverna.

Deméter, Deusa da colheita, da fertilidade e dos grãos, ao perceber o sumisso de sua filha sai a sua procura. Muito triste e lamentosa, sua luz e alegria vão se extinguindo dando lugar a sua ira, o que provoca a seca e o frio na Terra.

Finalmente ao saber por Hécate o paradeiro de Perséfone, Deméter vai até Zeus pedindo que ele interceda junto a …

O CHAKRA ESPLÊNICO - O SEGUNDO CHAKRA

De Metamorfose

Continuando a falar sobre os chakras...

Chakra Esplênico é o nome do segundo chakra que se localiza no baixo ventre, quatro dedos abaixo do umbigo.

Seu nome em sânscrito é Svadhistana, que significa segundo alguns autores "morada do Sol", segundo outros,"morada própria". Ele também recebe os nomes de Chakra do Hara, Chakra Sagrado e Chacra do Sacro.

A função básica do segundo chakra é filtrar e distribuir a energia vital. Ele também é responsável pela sexualidade - tanto por sua energia, quanto pelo prazer que ela proporciona – pela criatividade, pela reprodução e pelos relacionamentos, quaqlquer tipo, inclusive o relacionamento com o mundo físico.

O chakra esplênico é o chakra das emoções. Diane Stein em seu livro As Sacerdotisas, coloca este chakra relacionado ao corpo emocional e à projeção astral, conhecida também como viagem astral. Isto fica fácil de entender pois é este chakra que liga o corpo físico à alma.

É o chakra do movimento, da expanção. Reg…