Pular para o conteúdo principal

Equinócio de Outono - Mabon


Tanto no primeiro dia do Outono como no da Primavera, a noite e o dia têm a mesma duração. Este dia de equilíbrio entre polaridades, no Equinócio de Outono, nos convida a meditarmos sobre o equilíbrio em nossas vidas e em nosso interior.
 Será bom refletirmos sobre o que podemos fazer para conciliarmos os opostos ou aspectos de nossas vidas que estejam precisando de equilíbrio. É tempo de equilibrar luz e sombra, assim como mente, corpo e alma. Podemos também nos utilizar de algum símbolo de equilíbrio como o Yin/Yang, ou o Triskle Celta, por exemplo, e nos concentrarmos nele por alguns minutos. 

Mabon é o nome dado pelos Celtas gaueleses para o Equinócio de Outono. Ele faz parte das oito celebrações da Roda do Ano que marcam, entre outras coisas, as mudanças ocorridas na Natureza, no fluxo dos acontecimentos e no nosso interior. Enquanto em Lughnasadh tivemos a primeira colheita, aqui temos a segunda. 

 É o momento de agradecermos por tudo que colhemos no período de um ano, desta vez com mais veemência do que na primeira colheita; tanto é que neste festival não devemos pedir nada, apenas agradecer. Ele corresponde ao dia de Ação de Graças . É uma época de agradecimento e de reverência à Terra, que nos sustenta e nos nutre. É um momento propício para trabalharmos a cura da Terra. 

É também um tempo de preparo para um período de mais introspecção e recolhimento, quando chegar o inverno, pois a partir do segundo dia do Outono, depois do dia de equilíbrio, as noites começam a ficar mais longas do que os dias. Mabon é também o nome do Deus Celta galês, filho de Madron, a Mãe divina dos gauleses.

Dentro da Roda do Ano, este festival marca o último do calendário Celta, quando no próximo festival, em Samhain, iniciamos um novo ano. 

Em Mabon, a Deusa, enquanto nos propicia a colheita, começa a sua descida para o submundo, entrando em seu período não fértil e se tornando A Sábia. O Deus está prestes a penetrar na escuridão, deixando apenas uma presença sutil.

Se meditarmos bem sob o parágrafo anterior perceberemos o quanto a trajetória do Deus e da Deusa são facilmente percebidas na Natureza e em nossas vidas pessoais.

Junto com o texto deixo as duas figuras para meditação: um Yin/Yang estilizado, contendo outros símbolos equilibrados e o Triskle Celta, um símbolo celta de proteção e de equilíbrio que representa também os três reinos: o Céu, a Terra e o Mar.

Anna Leão. (Favor mencionar fonte e autoria ao reproduzir este texto.)

Comentários

Marcello Sodré disse…
Bom dia,Anna! Gostei bastante do seu poder de síntese para explicar Mabon! Não deixou de falar tudo que é importante e "passou seu recado" num texto relativamente curto. Parabéns! Beijos!
Anna Leão disse…
Obrigada, querido!
Beijos!

Anna

Postagens mais visitadas deste blog

BRUXAS E FADAS - QUEM É QUEM?

Minha filha mais nova chegou para mim dizendo que a amiga não acreditava em bruxa boa, que bruxa boa era fada. Ledo engano.
Está certo que a menina fala inspirada nos contos de fadas e tudo o que há por aí sobre o assunto a nível de fantasia. Mas me pergunto, e Harry Potter?
Isto mostra como as crenças (olha elas aí de novo!) são muito fortes e difíceis de serem mudadas de uma hora para a outra. Criamos imagens de certas coisas que ficam enraizadas em nossa psique e na psique coletiva, mesmo que erradas.
Para começar, bruxas e fadas existem. Só que a maioria das pessoas tem uma imagem completamente equivocada de ambas. Existe muito preconceito, má informação e deturpações.
Vamos por parte. Começo pelas fadas. Elas são seres elementais. O que é isto?
Bem, existem quatro elementos básicos da criação, a saber: Terra, Ar, Fogo, Água. Os elementais são seres habitantes destes elementos. Seus nomes, atribuições, características e funções são de acordo com o elemento a que pertencem.
Os reinos ele…

Perséfone - Deusa da Primavera e Rainha do Submundo

De Metamorfose

A princípio pode parecer estranho que a Deusa Perséfone tenha como atributos a Primavera e o Submundo, mas não podemos esquecer que da morte advem a vida e o mito desta Deusa explica isto muito bem.

Filha de Zeus e Deméter, esta jovem Deusa grega, enquanto colhia flores, é raptada por Hades, o Deus do Mundo Subterrâneo.

Jacinto foi a flor que seduziu Perséfone atraindo-a ao local onde a terra se abriu, surgindo Hades em sua carruagem dourada, puxada por cavalos imortais.

Contra a sua vontade Perséfone foi levada ao Submundo. Seus gritos não foram ouvidos por nenhum Deus ou mortal, exceto pela Deusa Hécate que os ouviu de sua caverna.

Deméter, Deusa da colheita, da fertilidade e dos grãos, ao perceber o sumisso de sua filha sai a sua procura. Muito triste e lamentosa, sua luz e alegria vão se extinguindo dando lugar a sua ira, o que provoca a seca e o frio na Terra.

Finalmente ao saber por Hécate o paradeiro de Perséfone, Deméter vai até Zeus pedindo que ele interceda junto a …

O CHAKRA ESPLÊNICO - O SEGUNDO CHAKRA

De Metamorfose

Continuando a falar sobre os chakras...

Chakra Esplênico é o nome do segundo chakra que se localiza no baixo ventre, quatro dedos abaixo do umbigo.

Seu nome em sânscrito é Svadhistana, que significa segundo alguns autores "morada do Sol", segundo outros,"morada própria". Ele também recebe os nomes de Chakra do Hara, Chakra Sagrado e Chacra do Sacro.

A função básica do segundo chakra é filtrar e distribuir a energia vital. Ele também é responsável pela sexualidade - tanto por sua energia, quanto pelo prazer que ela proporciona – pela criatividade, pela reprodução e pelos relacionamentos, quaqlquer tipo, inclusive o relacionamento com o mundo físico.

O chakra esplênico é o chakra das emoções. Diane Stein em seu livro As Sacerdotisas, coloca este chakra relacionado ao corpo emocional e à projeção astral, conhecida também como viagem astral. Isto fica fácil de entender pois é este chakra que liga o corpo físico à alma.

É o chakra do movimento, da expanção. Reg…