Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2017

Silêncio Total

Vejo os pássaros voando no céu azul Eles vêm me socorrer Prometendo o voo que quero alcançar Prometendo as alturas em que quero plainar
Me pergunto porque estou tão só Será que são os ventos ruins que não querem parar de soprar?
Me pergunto porque me dou ao trabalho de escrever estas linhas? Será o Outono em meu peito que não quer findar? Ou será as mechas do meu cabelo que não quero cortar?
Penso no tempo em que estive voando a céu aberto No tempo em que éramos só eu e você a riscar o mapa
Hoje, me encontro a assistir tanta gente querendo riscar o meu mapa... Tanta gente querendo me tirar do mapa...
Onde estou realmente? Perdida ou achada em você? Solteira ou casada com a sua sombra?
Hoje em dia não vejo nem mais os teus olhos a piscarem para mim... Quem diria, então, uma lágrima sequer derramada por mim.

Anna Leão (ao reproduzir este poema favor mencionar autoria e fonte)


Você respeita o seu próprio ritmo?

Nós temos um ritmo pessoal. Assim como temos nossa essência única, a nossa natureza singular, temos também o nosso próprio ritmo. No mundo urgente em que vivemos, onde a máxima “tempo é dinheiro” ainda dita as regras, aquele que tem o ritmo mais lento se sente muitas vezes um peixe fora d'água.
Por favor, eu lhe peço: “Seja generoso consigo mesmo". Não se cobre tanto e respeito o seu próprio ritmo, flua com ele e através dele. Você se surpreenderá ao ver como as coisas irão fluir melhor e fazer mais sentido. As pessoas com um ritmo mais lento podem sofrer muito neste mundo corrido em que vivemos. Mas elas, ou melhor, nós, pois eu me incluo aqui, precisamos aprender a não nos cobrarmos tanto e a seguirmos a nossa própria maré. Pessoas como nós têm uma tendência maior à contemplação, o que é de vital importância para a saúde mental e emocional do ser humano.
Já quem tem um ritmo mais acelerado também não pode querer se cobrar a diminuição da marcha. A princípio pode parecer que …

Pensamentos que iluminam...