Pular para o conteúdo principal

A Todo Volume!

De METAMORFOSE


Sou uma fã do rock, das guitarras, dos guitarristas e de Jimmy Page. Não dava para não sair emocionada do cinema ao degustar o longa A Todo Volume (It Might Get Loud), dentro do festival de cinema do Rio de Janeiro.

Mas apesar destes quesitos serem mais do que suficiente para me emocionarem, houve mais coisa. O documentário mostra todo o processo de criação de três grandes artistas, três grandes músicos de gerações diferentes: Jimmy Page (Led Zeppelin), The Edge (U2) e Jack White( White Stripe). Isto já vale para assistir ao filme para qualquer pessoa que trabalha com a criatividade .

É muito estimulante ver como cada um fala de seu talento e de como começou na música; suas descobertas, enganos, amadurecimento. A busca pelo processo criativo ficou nítida nos três; a importância que dão à música como arte e não apenas como um mero tocar um instrumento ou ter sucesso. Cada um queria deixar sua marca, fazer algo diferente, e como isto é inspirador em uma época em que cada vez mais as pessoas se massificam e querem seguir modismos, de todos as formas. Foi realmente emocionante ver emanando de suas personalidades a sabedoria de Jimmy Page, a maturidade de The Edge, e a ainda rebeldia de Jack White, permeadas por uma jovialidade eterna que só os verdadeiros artistas têm.

O filme tem o encontro dos três músicos em uma conversa informal e algumas improvisações coletivas, além de entrevistas solo e material antigo mostrando, por exemplo, Jimmy Page no Yardbirds. Parabéns ao diretor Davis Guggenheim ( Uma Verdade Inconveniente) pelo filme e pela ideia de reunir as três gerações em torno da guitarra e da música!

Por tudo que falei até agora confesso que fiquei bastante decepcionada quando me deparei com um cinema vazio ao chegar em cima da hora da sessão, depois do ônibus onde eu estava ter quebrado e eu ter que esperar outro, torcendo para ainda ter ingresso, já que não havia comprado com antecedência. Está certo que sabia que o público para o filme seria muito específico, mesmo assim acho que no Rio de Janeiro existem mais músicos e amantes do rock do que o número de vinte pessoas. Minha esperança é que a sessão vespertina e a tarde fria e chuvosa tenham sido o motivo do público fraco, pois o filme vale muito a pena!

Já houve duas exibições na segunda, no Cinemark da Barra (quem sabe não foi mais concorrida?) e hoje às 19 horas ainda há uma sessão no Leblon 1 (onde assisti) e na sexta, dia 2, haverá duas exibições no Roxy 3 ( Copacabana), às 16:30 e às 21:30. Então... ainda dá tempo para assistir!

Bom, não podia sair daqui sem deixar um vídeo com Jimmy Page, e escolhi umas das músicas do Zeppelin que mais gosto, "Baby I'm gonna Leave You. Não é a toa que já falaram que as músicas românticas mais bonitas são feitas pelos roqueiros!
Aproveitem então,Page e Plant nesta versão apoteótica e orgásmica de Baby I'm Gonna Leave You, aqui no Rio de Janeiro!

Anna Leão

Comentários

Desiane Ayala disse…
Espero que este filme passe aqui em Poa!
Acho que o vazio do cinema era devido ao fato da tarde fria e chuvosa!Mesmo assim vale a pena!
Um grande beijo!
Anna Leão disse…
AH, espero mesmo que passe aí, Desiane!
E espero também que as sessões de amanhã lotem!
Um beijo grande,
Anna

Postagens mais visitadas deste blog

BRUXAS E FADAS - QUEM É QUEM?

Minha filha mais nova chegou para mim dizendo que a amiga não acreditava em bruxa boa, que bruxa boa era fada. Ledo engano.
Está certo que a menina fala inspirada nos contos de fadas e tudo o que há por aí sobre o assunto a nível de fantasia. Mas me pergunto, e Harry Potter?
Isto mostra como as crenças (olha elas aí de novo!) são muito fortes e difíceis de serem mudadas de uma hora para a outra. Criamos imagens de certas coisas que ficam enraizadas em nossa psique e na psique coletiva, mesmo que erradas.
Para começar, bruxas e fadas existem. Só que a maioria das pessoas tem uma imagem completamente equivocada de ambas. Existe muito preconceito, má informação e deturpações.
Vamos por parte. Começo pelas fadas. Elas são seres elementais. O que é isto?
Bem, existem quatro elementos básicos da criação, a saber: Terra, Ar, Fogo, Água. Os elementais são seres habitantes destes elementos. Seus nomes, atribuições, características e funções são de acordo com o elemento a que pertencem.
Os reinos ele…

Perséfone - Deusa da Primavera e Rainha do Submundo

De Metamorfose

A princípio pode parecer estranho que a Deusa Perséfone tenha como atributos a Primavera e o Submundo, mas não podemos esquecer que da morte advem a vida e o mito desta Deusa explica isto muito bem.

Filha de Zeus e Deméter, esta jovem Deusa grega, enquanto colhia flores, é raptada por Hades, o Deus do Mundo Subterrâneo.

Jacinto foi a flor que seduziu Perséfone atraindo-a ao local onde a terra se abriu, surgindo Hades em sua carruagem dourada, puxada por cavalos imortais.

Contra a sua vontade Perséfone foi levada ao Submundo. Seus gritos não foram ouvidos por nenhum Deus ou mortal, exceto pela Deusa Hécate que os ouviu de sua caverna.

Deméter, Deusa da colheita, da fertilidade e dos grãos, ao perceber o sumisso de sua filha sai a sua procura. Muito triste e lamentosa, sua luz e alegria vão se extinguindo dando lugar a sua ira, o que provoca a seca e o frio na Terra.

Finalmente ao saber por Hécate o paradeiro de Perséfone, Deméter vai até Zeus pedindo que ele interceda junto a …

O CHAKRA ESPLÊNICO - O SEGUNDO CHAKRA

De Metamorfose

Continuando a falar sobre os chakras...

Chakra Esplênico é o nome do segundo chakra que se localiza no baixo ventre, quatro dedos abaixo do umbigo.

Seu nome em sânscrito é Svadhistana, que significa segundo alguns autores "morada do Sol", segundo outros,"morada própria". Ele também recebe os nomes de Chakra do Hara, Chakra Sagrado e Chacra do Sacro.

A função básica do segundo chakra é filtrar e distribuir a energia vital. Ele também é responsável pela sexualidade - tanto por sua energia, quanto pelo prazer que ela proporciona – pela criatividade, pela reprodução e pelos relacionamentos, quaqlquer tipo, inclusive o relacionamento com o mundo físico.

O chakra esplênico é o chakra das emoções. Diane Stein em seu livro As Sacerdotisas, coloca este chakra relacionado ao corpo emocional e à projeção astral, conhecida também como viagem astral. Isto fica fácil de entender pois é este chakra que liga o corpo físico à alma.

É o chakra do movimento, da expanção. Reg…