Pular para o conteúdo principal

Caminhos Pagãos - Xamanismo, Wicca e Druidismo


 O Paganismo, de uma forma geral, talvez seja a religião mais antiga do mundo. Ele é uma religião que tem por base a Natureza, os seus ciclos e energias.

 Quando se fala em  pagão, muita gente acredita que isto significa simplesmente alguém que não foi batizado. Este engano se deve ao fato de que na época do surgimento do Cristianismo aqueles que não haviam se convertido e seguiam  a Antiga Religião não tinham porque participar de um rito de outra religião, no caso o batismo. Então não ser batizado era apenas uma consequência para o pagão, que continuava a seguir seu caminho espiritual, o Paganismo, uma religião politeísta e animista, e praticando os seus próprios rituais.

  Atualmente o Paganismo vem renascendo e se manifestando de diversas formas. Neste texto vou abordar de uma forma geral os caminhos pagãos que têm maior proeminência na atualidade com os quais eu tenho uma forte ligação.

 O Xamanismo é uma religião pagã dos povos nativos das Américas. Suas práticas,  ensinamentos e filosofias muitas vezes se assemelham a vários outros caminhos pagãos. É incrível a sabedoria de alguns povos nativos norte-americanos, por exemplo.  Muitas vezes encontramos ali ensinamentos que também existem em outras culturas, como a egípcia, por exemplo. Porém, o Xamanismo não se restringe só aos povos das Américas. Todos que trabalham com magia natural estão praticando algum tipo de Xamanismo, mesmo que de acordo com a sua própria cultura e que nunca tenham recebido essa denominação. No entanto, é normal ao ouvirmos falar em Xamanismo nos remetermos aos povos nativos das Américas, que volto a afirmar possuem muita sabedoria.

  O Druidismo e a Wicca são caminhos distintos dentro do Paganismo, com semelhanças e diferenças. Talvez as maiores semelhanças sejam o culto aos Deuses e o uso da magia. Mas esta magia pode não ser a mesma, pois muitas vezes a Wicca tende à magia cerimonial, enquanto o Druidismo trabalha basicamente com a magia natural, coisa que a Wicca também pode fazer, dependendo de sua vertente. A Wicca possui  várias vertentes e um grande ecleticismo e é uma religião nova. Já o Druidismo e também o Reconstrucionismo Celta têm como objetivo chegar o mais perto possível da fonte e das tradições celtas, adaptando-as aos dias de hoje sem perder o seu significado. O Druidismo é uma religião antiga, pré-cristã.

  Dentro do Paganismo Celta, hoje em dia há duas vertentes  que se sobressaem: o Reconstrucionismo Celta e o Druidismo Renovado. Este último tem uma visão mais romântica do Druidismo e é mais eclético.  Já o RC é mais prático, podemos dizer. Mas ambos conduzem ao mesmo lugar e objetivo: à comunhão com os Deuses e com a Natureza.

O Reconstrucionismo Celta e o Druidismo moderno revivem o antigo Druidismo que era a religião dos celtas. Quando falamos em religião celta e suas tradições espirituais,  estamos falando de Druidismo, pelo menos é assim que deveria ser, se quisermos ser fieis à história e cultura deste povo. Essa busca pela fonte e verdadeiras tradições celtas vêm sendo feitas por estes movimentos levando em conta as pesquisas arqueológicas e a história deste povo, que se espalhou por várias regiões do continente europeu. Isto desmistifica certos enganos como, por exemplo,  a cor preta como sendo a oficial dos Druidas, isto é tradição da Wicca. Oque se sabe hoje em dia é que os Druidas usavam branco ou mantos colorido, mas nunca houve relatos históricos ou arqueológicos de que eles usavam preto. Os Druidas também não fechavam círculos (como também faz a Wicca), para eles tudo era sagrado e não havia esta necessidade. Também não havia entre eles a visão  maniqueísta do bem contra o  mal.

Seguir o Druidismo de uma forma séria é pesquisar em suas bases históricas e arqueológicas, pois muito já foi inventado em cima deste caminho espiritual tão antigo, o que tem gerado muita confusão e desinformação até os dias de hoje. Isto talvez se deva, principalmente, aos movimentos surgidos a partir do ano de 1717 na Inglaterra e que perduraram por todo o século, deixando suas influências até os dias de hoje, infelizmente de uma forma errônea, no que se refere ao legítimo Druidismo. Esses movimentos pretendiam aliar o Druidismo ao Cristianismo e  foram influenciados por várias doutrinas, como ocultismo, hinduísmo e Maçonaria. Isto gerou uma deturpação no que era realmente o Druidismo, uma religião pré-cristã, livre da magia cerimonial e adepta da magia natural, da magia da terra, uma religião anímica e politeísta, que não misturava panteões. Vale a pena ler o artigo "Renascimento Druídico" no site Templo de Avalon, para informações mais detalhadas sobre estes movimentos e seus fundadores.

Infelizmente nossos antigos e legítimos Druidas não deixaram nada escrito e os únicos relatos que tínhamos foram feitos pelos conquistadores romanos. Porém as pesquisas arqueológicas e históricas feitas por arqueólogos e historiadores sérios nos abrem uma grande perspectiva em relação ao verídico passado druídico. Com certeza este é o melhor caminho para resgatarmos com fidelidade o  Druidismo pré-cristão,  muito longe de livros meramente esotéricos cheio de dados sem fundamentos dentro do verdadeiro paganismo celta.

Qualquer caminho espiritual quando exercido com a alma é válido. O importante é termos o cuidado de saber onde estamos pisando, por isto a correta pesquisa e estudo é tão necessária, além da genuína intuição, é claro. O Paganismo de uma forma geral é vasto, mas é importante que saibamos diferenciar corretamente suas linhas para podermos comungar com ele de uma forma total e fidedigna com a cultura que escolhemos. Mesmo que nos identifiquemos com várias  linhas é importante saber quando e como praticá-las e evitar as misturas num mesmo trabalho mágico, pois cada cultura tem sua própria corrente de energia e peculiaridades e muitas vezes a mistura pode desestabilizar o equilíbrio almejado.

Anna Leão. Todos os direitos reservados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BRUXAS E FADAS - QUEM É QUEM?

Minha filha mais nova chegou para mim dizendo que a amiga não acreditava em bruxa boa, que bruxa boa era fada. Ledo engano.
Está certo que a menina fala inspirada nos contos de fadas e tudo o que há por aí sobre o assunto a nível de fantasia. Mas me pergunto, e Harry Potter?
Isto mostra como as crenças (olha elas aí de novo!) são muito fortes e difíceis de serem mudadas de uma hora para a outra. Criamos imagens de certas coisas que ficam enraizadas em nossa psique e na psique coletiva, mesmo que erradas.
Para começar, bruxas e fadas existem. Só que a maioria das pessoas tem uma imagem completamente equivocada de ambas. Existe muito preconceito, má informação e deturpações.
Vamos por parte. Começo pelas fadas. Elas são seres elementais. O que é isto?
Bem, existem quatro elementos básicos da criação, a saber: Terra, Ar, Fogo, Água. Os elementais são seres habitantes destes elementos. Seus nomes, atribuições, características e funções são de acordo com o elemento a que pertencem.
Os reinos ele…

Perséfone - Deusa da Primavera e Rainha do Submundo

De Metamorfose

A princípio pode parecer estranho que a Deusa Perséfone tenha como atributos a Primavera e o Submundo, mas não podemos esquecer que da morte advem a vida e o mito desta Deusa explica isto muito bem.

Filha de Zeus e Deméter, esta jovem Deusa grega, enquanto colhia flores, é raptada por Hades, o Deus do Mundo Subterrâneo.

Jacinto foi a flor que seduziu Perséfone atraindo-a ao local onde a terra se abriu, surgindo Hades em sua carruagem dourada, puxada por cavalos imortais.

Contra a sua vontade Perséfone foi levada ao Submundo. Seus gritos não foram ouvidos por nenhum Deus ou mortal, exceto pela Deusa Hécate que os ouviu de sua caverna.

Deméter, Deusa da colheita, da fertilidade e dos grãos, ao perceber o sumisso de sua filha sai a sua procura. Muito triste e lamentosa, sua luz e alegria vão se extinguindo dando lugar a sua ira, o que provoca a seca e o frio na Terra.

Finalmente ao saber por Hécate o paradeiro de Perséfone, Deméter vai até Zeus pedindo que ele interceda junto a …

O CHAKRA ESPLÊNICO - O SEGUNDO CHAKRA

De Metamorfose

Continuando a falar sobre os chakras...

Chakra Esplênico é o nome do segundo chakra que se localiza no baixo ventre, quatro dedos abaixo do umbigo.

Seu nome em sânscrito é Svadhistana, que significa segundo alguns autores "morada do Sol", segundo outros,"morada própria". Ele também recebe os nomes de Chakra do Hara, Chakra Sagrado e Chacra do Sacro.

A função básica do segundo chakra é filtrar e distribuir a energia vital. Ele também é responsável pela sexualidade - tanto por sua energia, quanto pelo prazer que ela proporciona – pela criatividade, pela reprodução e pelos relacionamentos, quaqlquer tipo, inclusive o relacionamento com o mundo físico.

O chakra esplênico é o chakra das emoções. Diane Stein em seu livro As Sacerdotisas, coloca este chakra relacionado ao corpo emocional e à projeção astral, conhecida também como viagem astral. Isto fica fácil de entender pois é este chakra que liga o corpo físico à alma.

É o chakra do movimento, da expanção. Reg…